Canal e Podcast Lado Esportivo

Toda Olimpíada o brasileiro para em frente a televisão e acompanha todo o tipo de disputa que tenha um atleta do Brasil. Foi o que aconteceu agora nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2021. Porém, terminado o evento fica difícil acompanhar as competições de judô, atletismo, natação e tantos outros, que possuem pouco espaço na mídia. Por isso, lançamos o Canal e Podcast Lado Esportivo.



No Lado Esportivo você vai ficar por dentro do calendário dos eventos esportivos de todos os tipos de modalidade. Portanto, confere lá, se inscreve e fica de olho para apoiar nossos atletas em competições nacionais e internacionais. 

Produzido por mim, Douglas Nunes, jornalista há mais de 10 anos e especializado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte. 

CANAL LADO ESPORTIVO



PODCAST LADO ESPORTIVO



A história do Skate: Da criminalização à medalha olímpica 


 

Um dos destaques dessa Olimpíada, o Skate nem sempre foi bem visto por aqui. Neste episódio falo de como surgiu o esporte, como chega ao Brasil e as transformações ao longo dos anos e que alcançou grande repercussão agora na Olimpíada, especialmente com o feito de Rayssa Leal. Saiba mais dessa história agora.



O surgimento do Skate

O Skate surge nos Estados unidos, ainda na primeira metade do século 20, mas em muitas versões diferentes. Em uma delas, por exemplo, um garoto ainda em 1918 havia desmontado os patins e fixado as rodas em uma madeira.

Só que em grande escala mesmo o esporte só iria surgir no final dos anos 50 e tendo como origem o surf. Naquela época, surfistas do litoral da California buscavam alternativas para continuar imitando as manobras de surf enquanto não tinham ondas na região. Com isso, montaram rodas e eixos em pranchas de madeira. Ainda em 1959 seria comercializado o primeiro skate, da Roller Derby.

As vendas já foram um sucesso, vendendo milhões de unidades, porém, as rodas eram de ferro e escorregavam muito, causando acidentes. Com isso a sociedade norte-americana chegou a fazer campanha para banir o esporte.

 

O Skate no Brasil

Enquanto sofria os primeiros ataques nos Estados Unidos, o skate chegava ao Brasil na década de 60. Inicialmente o esporte começou com a cultura do faça você mesmo, utilizando diversos locais. Com isso rampas de madeira ou piscinas abandonadas serviam para a prática.

Anos 70

Na década de 70 o Skate começa a viver a sua primeira onda de crescimento no país, com diversas empresas já comercializavam o Skate pelo país. Era praticado especialmente Ladeiras da Rua Maria Angelica e do Cedro no Rio de Janeiro (RJ) ou na Pracinha do Skate no bairro do Sumaré em S. Paulo (SP).

Em 1976 a primeira pista do Brasil e da América Latina foi construída em Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Depois disso abriu portas para as construções de muitas outras pelo país.

Ainda neste processo, o Skate apresentava uma identidade própria, se ligando a contra-cultura que surgiu na época. Inicialmente, o esporte se liga especialmente ao estilo Punk.

Anos 80

 Nos anos 80, o Skate chega a passa por uma queda de praticantes, mas volta a crescer na segunda metade da década, quando surgiram inclusive as primeiras associações e participações em campeonatos mundiais.

O esporte começa a ser temas de filmes e aparecendo em muitas produções de sucesso, como o filme De volta para o Futuro.

O Skate passa também a receber influências de outros estilos, misturando o Punk como uma cultura urbana, com ênfase em Hip-Hop.

Proibição

Só que o Skate passava longe de ser bem visto. Isso porque a prática era especialmente um lazer jovem e por uma camada menos favorecida da sociedade. Isso tudo somado ao estilo de se vestir, a música que curtia entre outras características fazia com que parte da população, assim os agentes do Estado e a política olhassem para o Skate como uma prática marginal.

Por muito tempo era feita uma verdadeira campanha de marginalização da prática e de uma repressão com violência dos praticantes espalhados pela cidade.

Em 1988, por exemplo, o Prefeito de São Paulo, Jânio Quadros proibiu o skate em toda a cidade. Jânio alegava barulho e baderna feita pelos skatistas. A decisão rendeu protestos e até um abaixo assinado entregue ao prefeito.

No entanto a proibição só seria revogada quando Luiza Erundina assumiu a Prefeitura de São Paulo, substituindo Jânio, em 1989, permitindo novamente o Skate pelas ruas de São Paulo.

Só que embora este tenha sido o caso mais marcante, por tratar-se de uma das maiores cidades do Brasil, muitas outras também proibiram o Skate e inclusive por muito mais tempo, como Blumenau, em Santa Catarina.

Anos 90

Nos anos 90 o que antes era apenas um passatempo começa a ficar ainda mais sério e o skate toma a direção do profissionalismo. Mais pessoas passam a se dedicar exclusivamente a modalidade e muitas competições de peso começam a surgir.

Uma das mais importantes é o X-Games, criado pela ESPN, que foi fundamental para popularizar ainda mais o Skate pelo Mundo e também para desfazer a imagem negativa que algumas pessoas faziam do esporte.

Paralelo a isso A WCS (World Cup of Skateboarding) se consolidou com o Circuito Mundial, dando ainda perspectiva para quem buscava o Skate como algo mais profissional.

Para completar o ganho de popularidade em 1999 é lançado o jogo de videogame Tony Hawk’s Pro Skater, que foi um grande sucesso e aproximou uma nova geração ao skate. Para muitos, Tony Hawk inclusive é considerado o maior skatista de todos os tempos, exatamente por colocar o esporte na tela de tantas pessoas.

Ainda na década de 90 um outro nome foi importante para a popularização no país. Trata-se de Bob Burnquist, que era um dos grandes destaques do esporte, brigando por títulos e criando técnicas únicas. Ele inclusive depois chegaria a ser Presidente da Confederação Brasileira de Skate.

Falamos da cobertura esportiva, dos principais atletas e do vídeo game. Só que a música também foi fundamental para atrair novos simpatizantes ao skate. Foram diversas bandas que demonstravam no dia a dia e nas letras a paixão pelo skate. Foram os casos de CPM 22, Marcelo D2, mas principalmente de Charlie Brown Jr.

Ao falar de Skate no Brasil você automaticamente associa a Chorão e toda a banda. São mais de 30 músicas do Charlie Brown Jr que falam de skate em algum momento da letra.

Anos 2000

Só que além do ganho em divulgação, o Skate seguiu evoluindo também na estrutura nos anos 2000. Em 2003 e 2004, acontecem as primeiras edições X-Games Latino-americano no Rio de Janeiro e em 2008 o X-Games em São Paulo, que faz com que o esporte fica ainda mais popular e ajude a afastar qualquer visão negativa referente ao skate.

Nesta década foi criado também o circuito brasileiro, com disputas em diversas cidades do país. Já em 2020 foi lançado o Street League Skateboarding, que é considerado hoje a principal competição desse esporte.

Segundo pesquisa do Datafolha de 2009, o Brasil tinha 3,8 milhões de praticantes de skate. Hoje, segundo pesquisa do Sports Good Intelligence, o mercado de skate movimenta R$ 1 bilhão por ano em venda de roupas e acessórios.

Olimpíada

Em 2021, o Skate alcançou mais um marco histórico ao ser escolhido para fazer parte dos Jogos Olímpicos em Tóquio. O Brasil começou bem neste capítulo da história ao conquistar a medalha de prata no Street masculino com Kelvin Hoefler, e no Street feminino com Rayssa Leal. Essa vitória foi ainda mais histórico porque a jovem atleta, de apenas 13 anos, apelidada de “fadinha” se tornou a brasileira mais jovem da história a conquistar uma medalha Olimpíada.

Um feito que sem dúvidas vai atrair cada vez mais pessoas para o Skate, especialmente jovens meninas.

Neste episódio você viu sobre a história do Skate e o contexto social deste esporte. Agora se você quer saber mais como pratica, os diferentes tipos e conhecer as manobras é só conferir os links que deixo na descrição e que são feitos por especialistas neste esporte.

www.cbsk.com.br

www.gritodarua.com.br

Postar um comentário

0 Comentários