Racismo no Oscar

 Algumas situações se repetem tanto que para a maioria das pessoas isso acaba se tornando normal. É o que é apontado como racismo estrutural e que pode ser observado no Oscar. A premiação de 2021 até indicam uma melhora na representatividade, mas ainda tímida considerando principalmente o histórico de invisibilidade que a academia promoveu para atores e atrizes negros.

Representatividade aumenta nos indicados de 2021

O Oscar é certamente a premiação mais famosa que existe. Todos os anos o publico quer saber quais são os melhores filmes, os atores e atrizes em destaque, além de acompanhar toda a cerimônia.

No entanto, historicamente, esta festa do cinema é quase que uma festa branca. Desta vez, em 2021, felizmente ocorre um aumento de representatividade, puxado principalmente pelo filme “Judas e o Messias Negro”, que é o primeiro longa totalmente produzido por negros a ser indicado a Melhor filme. Além disso as indicações para melhor ator coadjuvante de Daniel Kaluuya e Lakeith Stanfield, dois atores negros que atuaram no mesmo filme, é um feito inédito. A obra também traz Shaka King disputando o melhor roteiro. Este prêmio ainda traz outro roteirista negro, Kemp Powers, com “Uma Noite em Miami”.

A cerimônia ainda traz os negros como protagonistas em outros três momentos. Com Viola Davis, que quebra o recorde ao ser a atriz negra mais indicada da história ao Oscar, com quatro indicações. Chadwick Boseman concorrendo a melhor ator, ele que faleceu em 2020, e também o filme Dois estranhos, que concorre como o melhor curta-metragem e que aborda exatamente o racismo e a violência policial, como ocorreu no caso de George Floyd assassinado por policiais nos Estados Unidos.

Uma evolução em termos de representatividade, sem dúvida, e que ocorre depois da Academia ter adicionado mais 819 membros votantes ao prêmio. No entanto, ter indicações que se contam nos dedos é muito pouco, principalmente se você considerar o histórico.




A história do Oscar

O Oscar começou a ser entregue em 1929, mas somente 10 anos depois que ocorreu a primeira indicação para uma atriz negra. Foi Hattie McDaniel, como atriz coadjuvante em “e o vento levou”. Já o primeiro ator levou ainda mais tempo, somente em 1958 que Sidney Poitier foi indicado, pelo filme Acorrentados. Ele também foi o primeiro ator negro a ganhar, em 1963, com “uma voz nas sombras”. Ou seja, levou 34 anos para que um ator negro fosse premiado.

Falta de representatividade no Oscar em 2015 e 2016

A situação mais emblemática aconteceu em 2016. Naquela cerimônia, o Oscar chegava a segunda edição seguida sem nenhuma indicação de negros nos principais prêmios por atuação. Somando os postos de ator principal, atriz principal, ator coadjuvante e atriz coadjuvante eram 20 indicações e todas as 20 foram de artistas brancos. 

Foram diversas críticas aos organizadores e responsáveis pelas indicações. Em 2017 isso até mudou, mas ainda assim os negros foram minoria. Das 20 possíveis indicações, foram somente 6 entre atores e atrizes negros.

Até então já ocorreram 92 edições do Oscar e até então somente oito mulheres venceram a estatueta como melhor atriz coadjuvante. Como atriz principal até hoje só uma ganhou, foi Halle Berry, pelo filme “A última ceia” em 2022.

Entre os homens a situação é ainda pior. Somando os prêmios de melhor ator coadjuvante e ator principal somente oito foram premiados.

Mesmo considerando que Denzel Washington e Mahershala Ali venceram duas vezes cada, ainda assim foram apenas 19 prêmios entre 368 possíveis, o que dá pouco mais de 5%.

Como havíamos dito, Viola Davis é a recordista entre as mulheres com quatro indicações. Só que só para se ter uma ideia, Meryl Streep, uma atriz branca, foi 20 vezes. Outras nove atrizes brancas receberam pelo menos sete indicações.

Mudanças por representatividade

É preciso falar que a academia tem discutido e estipulou regras para estimulara a representatividade, mas isso a princípio só começa em 2022 e sendo obrigatório mesmo em 2024.

Entre as medidas estão critérios para a escolha de melhor filme como:

Pelo menos um dos atores principais ou coadjuvantes de destaque deve pertencer a uma etnia ou grupo racial pouco representado (asiático, latino/hispânico, negro, nativo-americano, norte-africano, nativo havaiano)

Pelo menos 30% de todo o elenco em papéis secundários ou menores devem pertencer a dois grupos pouco representados (mulheres, grupos raciais ou étnicos, LGBTQI+, pessoas com deficiência física ou cognitiva)

Isso fará com que mais atores e atrizes negros sejam escalados. Algo fundamental quando o assunto é representatividade. Você pode achar que não, mas o baixo número de indicados e ganhadores negros impacta na avaliação do público em geral sobre quem tem e quem não tem talento e de uma forma distorcida da realidade.

 Atores e atrizes negros que já venceram o Oscar:



Melhor Atriz

2002 - Halle Berry, por A Última Ceia

 

Melhor Atriz Coadjuvante

1940 - Hattie McDaniel, por ...E o Vento Levou

1991 - Whoopi Goldberg, por Ghost

2007 - Jennifer Hudson, por Dreamgirls

2010 - Mo'Nique, por Preciosa: Uma História de Esperança

2012 - Octavia Spencer, por Histórias Cruzadas

2014 - Lupita Nyong'o, por 12 Anos de Escravidão

2017 - Viola Davis, por Um Limite Entre Nós

2019 - Regina King, por Se a Rua Beale Falasse

 

Melhor Ator

1964 - Sidney Poitier, por Uma Voz nas Sombras

2002 - Denzel Washington, por Dia de Treinamento

2005 - Jamie Foxx, por Ray

2007 - Forest Whitaker, por O Último Rei da Escócia

 

Melhor Ator Coadjuvante

1983 - Louis Gossett Jr., por A Força do Destino

1990 - Denzel Washington, por Tempo de Glória

1997 - Cuba Gooding Jr., por Jerry Maguire - A Grande Virada

2005 - Morgan Freeman, por Menina de Ouro

2017 - Mahershala Ali, por Moonlight

2019 - Mahershala Ali, por Green Book: O Guia

 

Postar um comentário

0 Comentários