Nazismo de direita ou de esquerda?


O debate basicamente só existe no Brasil. O nazismo é um governo de extrema-direita. A confusão ou má intenção de tentar liga-lo a Esquerda são baseadas em nomes, cores, mas não na atuação. O principal argumento é que nazismo significa nacional-socialismo.

Estratégia no nome

Nessa hora vai ter gente que vai falar “alá, é socialista”. Mas isso se tratava de uma estratégia política, pois boa parte da base eleitoral do país era formada por trabalhadores. Com isso, o objetivo era atrair um público que estava ligado até então ao Partido Social-Democrata, que também já era um partido que aceitava o Capitalismo. Na época o partido mais a esquerda realmente era o Partido Comunista da Alemanha, que não tinha nada em comum com os nazistas.

Além disso, mais importante do que a discussão em torno do nome, é ver a atuação do partido nazista e também o que o próprio Hitler falava.

Hitler escreveu um livro

No livro escrito pelo próprio Hitler, “Minha Luta”, ele explicava que o anti-marxismo era inseparável do antissemitismo. E afirmava também que o povo alemão tinha dois perigos, o judaísmo e o marxismo. Este segundo ele se referia como uma “doença pestilenta”.

Hitler inclusive determinava aniquilar o marxismo. E os comunistas inclusive foram os primeiros a serem levados para os campos de concentração. Isso tudo não está em margem para discussão. Tudo isso está no livro escrito pelo próprio Hitler e que pode ser encontrado facilmente na internet.

Burguesia no poder

Para completar, para chegar ao poder, Hitler buscou apoio justamente da burguesia alemã. O que não precisa nem dizer que é impossível em um governo comunista, o pacto com a burguesia.

Os nazistas inclusive seguiam o ideal de Edmund Burke, com pensamentos conservadores, e os aliou ao nacionalismo. Com a ideia de valorização das tradições, restrição de noções de liberdade e direito, criando o conservadorismo nacionalista.

A atuação na economia também era oposta ao comunismo. A Alemanha de Hitler era contra o intervencionismo completo com a abolição da iniciativa privada. Donos de Volkswagen, BMW, Audi, Bayer, Mercedes, Hugo Boss, entre muitas outros não tiveram suas empresas tomadas pelo Governo, como lucraram muito e ganharam fama com o nazismo.

Por outro lado, o Governo não seguia o liberalismo econômico, afinal controlava os preços dos produtos e congelou os salários, porém, isso era uma medida para conter a inflação devido ao projeto de acabar o desemprego.

Aliás, essa medida ocorria mais uma vez ligada a iniciativa privada, através de alianças a grandes grupos empresariais. Com expansão de créditos e incentivos fiscais. Na época o Governo também aboliu centrais sindicais, algo muito mais ligado ao que defende a direita na política.

Sendo assim, o nazismo pode até não ser próximo a direita liberal, porém, é muito similar a direita conservadora. E o fato que está registrado pelo próprio Hitler, é que o socialismo e o comunismo, eram inimigos do nazismo.


Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS Vol. 7 Nº 14, Dezembro de 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.14295/rbhcs.v7i14.229



Postar um comentário

0 Comentários